Relações Sindicais

Relações Sindicais

Com o crescimento da produção, ocorrido nos últimos anos, o movimento sindical teve um fortalecimento de sua atuação nos direitos dos trabalhadores, de forma impactante.

O trabalhador hoje é mais exigente com relação a benefícios, independente do resultado da empresa. Por outro lado, os sindicatos obreiros, focaram  as negociações diretamente com as empresas, cerceando as mesmas do suporte dos sindicatos patronais.

Diante desta mudança as empresas que não tem um suporte nas negociações, tendem a entrar em movimentos grevistas, sendo muitas vezes obrigadas a conceder reajustes e benefícios, aquém de suas capacidades.

A EXECUTIVA OUTSOURCING, atua a mais de vinte anos no seguimento de relações sindicais, tendo 100% de sucesso em suas negociações. Atua como representante da empresa, em negociações diretas com sindicato obreiro, suporte a área de Recursos Humanos nas negociações internas, e preposta em negociações coletivas perante sindicatos patronais.

Últimas do Blog

  • letras

    Circular CEF nº 761/2017

    Foi publicada no DOU de hoje, 17.4.2017, a Circular CEF nº 761/2017 para aprovar e divulgar o cronograma de implantação e a versão 2.2.01 do Leiaute eSocial. O cronograma de implantação, referente aos eventos aplicáveis ao FGTS, se dará da seguinte forma: a) a partir de 1º.1.2018 para o empregador com faturamento no […]

  • gorjeta

    LEI Nº 13.419, DE 13 DE MARÇO DE 2017.

    Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, para disciplinar o rateio, entre empregados, da cobrança adicional sobre as despesas em bares, restaurantes, hotéis, motéis e estabelecimentos similares.     O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu […]

  • doenca_01

    Empresa não deve pagar salários entre alta previdenciária e restauração de benefício

      19 de março de 2017, 14h25     A legislação previdenciária diz que a responsabilidade do empregador pelo pagamento dos salários, em caso de enfermidade do empregado, se limita aos 15 primeiros dias do afastamento. Portanto, se o trabalhador deixou de receber o auxílio-doença, mesmo ainda estando incapacitado para o trabalho, o empregador […]